Veneza, Itália

Atualizado: 10 de fev.

Veneza tem uma aura de puro encanto, como se de um cenário conto de fadas se tratasse. Composta por um conjunto de 62 ilhas interligadas por mais de 400 pontes sob 150 canais de água, este arquipélago emerge de uma grande lagoa entre o continente e o mar aberto como por magia. Não é surpresa que seja considerada uma das cidades mais bonitas do mundo.


Gôndolas no Grande Canal de Veneza
Grande Canal de Veneza.

Visitei Veneza no final de março de 2019 com a minha mãe, durante as nossas férias pelo norte de Itália.


Chegámos de comboio à estação de Mestre oriundas de Florença. Íamos passar apenas um dia e meio na cidade, queríamos aproveitar cada minuto.


"I stood in Venice, on the Bridge of Sighs;

A palace and a prison on each hand:

I saw from out the wave her structures rise

As from the stroke of the enchanter’s wand:

A thousand years their cloudy wings expand

Around me, and a dying glory smiles

O’er the far times when many a subject land

Looked to the wingèd Lion’s marble piles,

Where Venice sate in state, throned on her hundred isles!"

Childe Harold's Pilgrimage, Lord Byron, 1812-1818


Depois do check-in feito e revisão das recomendações dadas pelo Pierluigi, o nosso host do Airbnb, atravessámos a ponte que une Mestre à estação de Santa Lucia.


A poucos metros, estava a paragem do vaporetto que nos ia levar a conhecer a cidade a partir dos seus canais. Acompanhadas pela brisa de início da primavera percorremos as águas movimentadas do Grande Canal.


Trânsito nos canais de Veneza; Ponte di Rialto; Gôndolas estacionadas à porta de edifícios setecentistas; Viagem de vaporetto pelo Grande Canal de Veneza.

Este meio de transporte público aquático fascinou-me. Em todas as paragens habitantes locais entravam e saíam, com sacos de compras, ao telefone, atarefados com as suas rotinas. Os seus rostos de todos os dias contrastavam visivelmente com o meu entusiasmo infantil.


Um barco-ambulância passou por nós, depois o do correio carregado de encomendas e um táxi com uma bandeirinha amarela na proa. As estradas rodoviárias são praticamente inexistentes, então a vida urbana circula à tona da água.


Mas eram os edifícios e palácios dos séculos XVI e XVII que sugavam toda a minha concentração. Os tons pastel das fachadas lascadas, os detalhes, o mármore, a engenharia a desafiar as leis da estabilidade, a suave degradação e a marcante imponência.


Detalhe da fachada e cúpula da Basílica de San Marco.

Chegámos ao nosso destino e o cartaz à entrada não deixa dúvidas: estamos a entrar na Piazza San Marco, Património indiscutível da Humanidade da UNESCO. Durante mil anos foi o centro político e religioso da República Veneziana.


Neste complexo de edifícios de incalculável valor histórico e imensurável beleza é possível observar como diferentes correntes arquitetónicas se misturam harmoniosamente. Os traços bizantinos da Basílica contrastam com a austeridade gótica do Palazzo Ducal, ao lado da Ponte dos Suspiros, de traços barrocos.


No interior da Basílica, a cor dominante é o dourado. Os mais 8.000 metros quadrados mosaicos minúsculos que cobrem os tetos, cúpulas e paredes refletem a riqueza e o poder da Sereníssima República de Veneza ao longo dos séculos.


Veneza foi uma grande potência marítima e um centro de comércio muito importante durante a Idade Média e o Renascimento e é hoje uma referência cultural e artística na Europa.


Ponte sobre os canais; Artistas de rua; As típicas máscaras venezianas; A luz ao final do dia.

No dia seguinte, o plano era embrenhar-nos pela cidade labiríntica. Perdemo-nos imediatamente pelas suas ruelas calcetadas, pelos canais estreitos e pelas sottoporteggi.


Ao meio da manhã, a minha mãe pediu-me um café expresso italiano e eu sabia do sítio perfeito para a levar. O cheiro a doces acabados de fazer que saía pela porta guiou-nos até Dal Nono Colussi, uma pastelaria caseira, há gerações na mesma família. Ela bebeu o seu café acompanhado de uma típica fugassa.


A seguir, caminhámos em ziguezague em direção à Basílica de Santa Maria della Salute, passando pela Ponte dell'Accademia, para ter outra visão sobre a Piazza San Marco.


Passeio de gôndola pelos canais; Gondoleiro com o característico uniforme; Mommy em Veneza; Detalhes das fachadas dos palácios venezianos.

Regressámos à zona do Rialto, explorámos a ponte mais antiga da cidade e as pequenas ourivesarias que a adornam ao longo da sua extensão. Mesmo ao lado, encontra-se o mercado buliçoso e tradicional, no Campo della Pescaria, onde gaivotas, muito atentas, esperavam que os barcos descarregassem o peixe fresco.


Reservei online a entrada gratuita ao último andar do Fontego dei Tedeschi, dias antes, sem saber muito bem o que esperar. O palácio renascentista é atualmente um centro comercial de luxo. Um pouco desconfiadas, subimos pelos elevadores espelhados até ao quarto andar. A vista sobre os telhados e canais é verdadeiramente esplendida. A reserva só permite visitas de 15 minutos, mas poderíamos ficar ali até ao anoitecer.


Vista para o Grande Canal desde o miradouro de Fontego dei Tedeschi; Ponte sobre os canais; Uma simpática gaivota na ponte di Rialto; Grande Canal com a Basílica de Santa Maria della Salute ao fundo.

A visita à livraria Aqua Alta proporcionou-nos momentos divertidos a tentar descobrir o livro mais extravagante. No pátio exterior uma pilha de livros antigos amontoa-se para formar umas escadas gastas pelo tempo e pelas solas dos visitantes.


No final da tarde, dirigimo-nos para o Bairro de Cannaregio, pela Strada Nova. O antigo gueto judeu do século XVI, atualmente, está cheio de lojas de máscaras artesanais, galerias de arte, pátios de antigos palacetes, cafés simpáticos e enotecas, onde os venezianos tomam o seu aperitivo sentados à beira dos canais.


Chegou ao fim a nossa curta estadia pela Serenìsima, ao entrar no comboio que nos levaria de regresso a terra firme do continente ainda nos virámos uma última vez para ver a água calma da lagoa refletir a luz do crepúsculo.


Ci vediamo presto Italia!


Entardecer em Veneza com lua-cheia
A lua-cheia surge no horizonte ao entardecer.
 

Como chegar How to get there

Há voos diretos de Lisboa para o aeroporto de Veneza.

Nós estávamos em Florença, por isso apanhámos um comboio até à estação Mestre, a viagem dura aproximadamente 2h.

Como se deslocar How to move around

Da estação Venezia-Mestre até a Venezia Santa Lucia, há comboios e autocarros que atravessam da Ponte della Libertà de 10 em 10 minutos.

No centro, podem apanhar um vaporetto, o transporte público veneziano, para um passeio mais rápido pelos canais. Contudo, calcorrear as ruas encruzilhadas da cidade é a melhor maneira de a conhecer.

Onde dormir Where to sleep

Para além das inúmeras opções de alojamento que Veneza oferece, podem optar por ficar fora da cidade e ficar hospedados em Mestre, como foi o nosso caso. Alugámos um Airbnb moderno e acolhedor perto da estação e cada manhã apanhávamos o comboio para o centro de Veneza.

Onde comer Where to eat

Dal Nono Colussi saímos do percurso mais turístico à procura da autêntica fugassa veneziana, um bolinho de massa fofa levemente frita com um pouco de creme no meio. Esta pequena pastelaria familiar oferece outras doces opções igualmente deliciosas. dalnonocolussi.com/#post-158


Bacarretto Bistrot. Il Siciliano foi por recomendação do nosso anfitrião do Airbnb que descobrimos este pequeno e simpático restaurante no meio de ruelas estreitas na zona de Santa Croce. www.facebook.com/bacarrettobistrot.ilsiciliano/

O que visitar What to visit

Passeio de vaporetto a rede de autocarros aquáticos de Veneza é o meio de transporte mais utilizados pelos venezianos para se deslocarem pela cidade. Para os turistas são muito fáceis de usar, rápidos e oferecem uma visão da cidade a partir dos seus canais. Nós apanhámos a linha 1 na Piazzale Roma, percorremos o Grande Canal até à Piazza San Marco. Um bilhete simples custa 7,50€.


Basílica de San Marco o templo religioso mais importante da cidade. Em 828 serviu para acolher o corpo de São Marcos trazido de Alexandria. A atual basílica de estilo bizantino foi começada a construir em 1063 e desde 1807 que é a sede da arquidiocese católica romana de Veneza. Não autorizam a entrada de mochilas e grandes volumes na basílica, há um guarda-roupa gratuito muito perto. A entrada no Museu, no Tesouro e na Pá de Ouro é paga. Aberta até às 17h. www.basilicasanmarco.it/?lang=en


Palazzo Ducale construído provavelmente nos séc. X e XI, este palácio, inicialmente fortificado, foi residência do Doge, o governador da República de Veneza, sede do governo e tribunal de justiça. É uma obra-prima do gótico veneziano, sofreu várias alterações ao longo dos anos e assumiu a atual estrutura em 1923, quando se tornou um museu. Aberto até às 18h. Preço: 26€. palazzoducale.visitmuve.it/en/home/

Torre dell'Orologio é possível subir ao último andar da Torre do Relógio, construída no final do séc. XV. O magnifico relógio não só marca as horas, como também as fases lunares e os signos do Zodíaco. Diz a lenda que, uma vez concluída a construção da torre, o Doge ordenou que os olhos dos artesãos que a construíram fossem arrancados para que nunca mais pudessem realizar um trabalho semelhante. Encontra-se temporariamente encerrada. torreorologio.visitmuve.it/en/home/


Ponte dei Sospiri esta ponte barroca é uma das mais famosas de Veneza. Foi construída no séc. XVII como local de passagem dos recém condenados no Palazzo Ducale à Prigioni Nuove (prisão nova) do outro lado do canal. Existe uma lenda associada a esta ponte: se dois apaixonados passarem de gôndola sob a Ponte dos Suspiros e se beijarem, o seu amor será eterno.


Ponte di Rialto a mais famosa ponte de Veneza, une as duas margens do Grande Canal. A atual ponte em pedra foi construída entre 1588 e 1591, baseada no desenho da anterior ponte de madeira. Há pequenos espaços comerciais ao longo de toda a sua extensão.


Fontego dei Tedeschi é um centro comercial de luxo em pleno Grande Canal, perto da Ponte di Rialto. Foi em tempos um antigo palácio renascentista, armazém e a sede comercial dos mercadores alemães na cidade. No último andar, o terraço oferece uma vista panorâmica privilegiada sobre Veneza. Aberto até às 18.30h. A entrada é gratuita, mas é necessário reservar online. www.dfs.com/en/venice/t-fondaco-rooftop-terrace


Basílica de Santa Maria della Salute foi construída entre 1631 e 1687 como ex-voto dos habitantes venezianos por causa da peste dizimou a população anos antes. A sua imponente cúpula é visível de vários pontos da cidade. Aberta até às 17.30h. basilicasalutevenezia.it/

Onde comprar Where to shop

Livraria Acqua Alta no bairro Castello, é paragem obrigatória pela originalidade do seu interior. Livros de variados temas coabitam com gatos sonolentos e estão expostos em gôndolas e banheiras. www.facebook.com/libreriaacquaalta/


Mercato di Rialto um mercado de produtos frescos no coração de Veneza, cheio de vida e agitação, em parte devido às gaivotas sempre atentas às bancas da peixaria. Aberto até às 13.30h.


Mercato na Ponte dei Pugni ao longo das margens do canal dei Pugni. Fora das rotas mais famosas, vários barcos atracados vendem frutas e verduras aos habitantes locais.

 

Aqui está um mapa com todos os locais mencionados no post:



99 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo